VOLTAR PARA O BLOG

Você já parou para pensar por que o seu cliente compra o seu produto ou serviço? Os motivos podem ser inúmeros, desde a oferta, o preço, a qualidade, etc. Mas, você sabia que existe um conceito que analisa exatamente isso? Ele é chamado de neuromarketing e pode ser uma mão na roda para muitos empreendedores.

No post de hoje, explicamos um pouco mais sobre o que é neuromarketing, os benefícios em aplicá-lo e algumas dicas para colocar em prática. Curioso para descobrir? Continue com a gente!

O conceito de neuromarketing

O conceito foi desenvolvido pelo cientista Ale Smidts, enquanto o mesmo procurava entender mais a fundo a influência de ações de marketing no comportamento humano enquanto consumidores, e ainda os fatores que afetam o sistema neurológico desses no momento da aquisição de um serviço ou produto. A partir desse estudo foi possível, então, criar métodos, estratégias e também campanhas que obtivessem melhores resultados. 

Com o tempo, essa ciência foi difundida por Gerald Zaltman,  um médico e pesquisador de Harvard, que utilizou equipamentos de ressonância magnética para analisar a resposta do cérebro a  campanhas de marketing e seus estímulos. A partir disso, mais precisamente em 2000, o doutor pôde, então, registrar o termo neuromarketing como uma ferramenta oficial dessa atividade. 

A popularidade do termo cresceu muito na última década. Desde então,  profissionais têm se dedicado cada vez mais a estudar o comportamento das pessoas no momento de tomada de decisão.

Inegavelmente, esta é uma junção de neurologia e marketing. Então, não tem segredo: é um conceito que leva a tentar entender qual a influência que certas ações de marketing têm no cérebro humano.

Por que o consumidor age como tal? Por que ele compra isso e não aquilo? Depois de estabelecido esse conhecimento, fica muito mais fácil aplicar certas técnicas de venda e alavancar o seu negócio.

Mas, você deve estar se perguntando como esse conceito é aplicado na prática. Antes de mais nada, é necessário entender que muito da decisão de compra do seu público ocorre em seu subconsciente. Ou seja, de nada adianta chegar nele e perguntar o porquê de gostar (ou não) do seu produto.

É importante estudar toda a atividade cerebral das pessoas, utilizando métodos da neurologia (como ressonâncias, por exemplo). No entanto, é claro que há diversos estudos já concluídos sobre o conceito e entendeu-se que certas técnicas de marketing funcionam melhor do que outras – inclusive, mais para frente, vamos abordar algumas delas.

Exemplo prático de uma empresa

Você sabia que a Coca-Cola aplica muito bem o neuromarketing em suas ações? Em um estudo comparativo, utilizou-se os resultados de uma ressonância magnética para analisar a preferência das pessoas entre Coca-Cola e Pepsi.

Foram colocados dois copos com a mesma bebida, mas apenas um deles possuía uma logo (primeiro da Coca-Cola, depois da Pepsi). Como resultado, percebeu-se que quando as pessoas beberam o copo com a marca da Coca-Cola a parte do cérebro relacionada a tomadas de decisões foi ativada.

Por quê? Simples. A Coca-Cola trabalha muito a percepção sensorial nas suas propagandas e, ao ingerir a bebida, parte da memória das pessoas é reativada e elas se sentem bem.

3 benefícios em utilizar o neuromarketing

Empresas que aplicam o neuromarketing em suas estratégias podem ser beneficiadas de diversas formas – desde que usado corretamente. Entre as vantagens, estão:

  1. Desenvolver serviços e produtos mais especializados: como você vai entender melhor a sua persona, é possível criar produtos que sejam exatamente aquilo que ela espera. Ou seja, todo o processo de criação será guiado por essa preferência que o público já possui no subconsciente.
  2. Alavancar as vendas: isso é óbvio, mas vale ressaltar que o seu objetivo maior é vender e, ao entender como funciona o cérebro do consumidor, você é capaz de alcançar essa meta. O neuromarketing permite a você explorar ações que vão de encontro com o desejo do cliente.
  3. Melhorar a experiência do usuário: hoje, mais do que nunca, o público tem levado muito em consideração a experiência e um atendimento personalizado. Sendo assim, fica muito mais fácil alcançar isso quando você sabe qual abordagem é a mais certeira.

Maneiras de aplicar o neuromarketing no seu negócio

Como dissemos acima, a partir de estudos foram feitas algumas descobertas universais sobre a aplicação do conceito em ações das empresas. Ainda que sejam métodos simples, vale a pena atentar-se a eles. Confira:

Escolha da fonte

Engana-se quem pensa que a escolha da melhor fonte deve estar relacionada apenas ao fato de uma ser mais bonita do que outra. Inclusive, isso nos leva a um importante tópico: no neuromarketing, os detalhes fazem toda a diferença. Sendo assim, até algo que parece trivial, como a escolha de uma fonte, torna-se extremamente relevante.

Em resumo, fontes simples e de fácil leitura são as mais eficazes. Elas não devem exigir muito esforço do consumidor para entender o que você quer dizer. Comece a reparar nas fontes utilizadas por grandes marcas do mercado. Sabe o que elas têm em comum? São minimalistas.

A psicologia das cores

Essa é uma das práticas mais aplicadas no neuromarketing. Você sabia que existe um motivo por trás da escolha de cores da maioria das empresas de destaque no mercado? Cada cor tem um efeito nas pessoas, portanto, vale a pena escolher a qual recorrer de acordo com aquilo que pretende passar ao consumidor. Confira alguns exemplos:

Vermelho: emoção, sentido de urgência;

Azul: confiança;

Amarelo: otimismo;

Verde: tranquilidade;

Preto: poder, luxo;

Branco: transparência;

Laranja: relação de amizade.

Layout da página

Cores e fontes podem influenciar nos resultados do seu negócio e, logicamente, isso não seria diferente com o layout do seu site. É preciso levar o neuromarketing em consideração no momento de desenvolver sua plataforma online.

Já ouviu falar em mapa de calor? 

Ele indica quais áreas dos sites atraem mais os visitantes, assim, você sabe onde colocar todas as informações mais relevantes.

O foco no site é direcionar a atenção do usuário para atrair o maior número de leads possíveis.

Aplique a ancoragem de preços

Quando falamos de ancoragem de preços é possível que, em alguns casos,  tenhamos dificuldade em pensar no preço de um produto ou serviço com base em um valor isolado. No entanto, mais uma vez, o neuromarketing pode auxiliar nas vendas. 

É mais fácil, por exemplo, basearmos esses valores naqueles que são cobrados por produtos semelhantes. Assim, é possível avaliar se está caro, barato demais ou com o preço ideal. 

Um exemplo prático disso é ofertar um combo de produtos por um preço fechado. Trata-se de uma excelente tática para realizar mais vendas e com maior ticket.

No caso de um salão de cabeleireiros, por exemplo, um cronograma de 3 hidratações pode ser vendido por um preço mais atrativo do que uma venda isolada.

Lojas de sapato aplicam a metodologia, vendendo três tênis por um único valor. O mesmo pode ser feito também em lojas de decorações, com um combo de 4 almofadas, por exemplo.

O que ocorre nesse caso é que o seu cliente, ao buscar por um único serviço ou produto, se sentirá altamente atraído a aproveitar a oportunidade que engloba outros.

Nesse sentido, você conseguirá convencer mais facilmente um comprador em potencial que vale muito mais a pena investir em mais de um produto.

Chame a atenção do seu público 

Ferramentas que chamam a atenção para a sua marca contribuem significativamente para o seu fortalecimento. Ao estabelecer padrões, tanto em relação ao design de seus conteúdos impressos como na internet, você criará fortes memórias em seus clientes.

Tanto no que diz respeito a cores, como frases e até músicas! Um excelente exemplo disso é o McDonald’s ou ainda a Pernambucanas no período do Natal. 

Tenha um site com melhor design possível 

Sabemos que a primeira impressão é a que fica, certo? Com isso em mente, é necessário que a apresentação de seu site, marca e produtos seja o mais impecável possível. Ele é o cartão de visitas de sua empresa e ao pensarmos no neuromarketing é preciso que ele desperte emoções positivas ao público, pois isso será determinante. 

Quanto melhor desenvolvido ele for, mais tempo os usuários ficarão navegando e explorando seus menus. O que gera confiança em sua marca e um número muito melhor de conversões. 

Evidencie sempre o que sua marca tem de melhor! 

Ao apresentar seus serviços ou produtos, é fundamental destacar seus pontos positivos e fortes. Na prática, evite usar palavras negativas em suas campanhas. 

Outro ponto refere-se à solução, isso é o que deve ser vendido. No caso de uma imobiliária, por exemplo, o que você deve oferecer são sonhos, privacidade, segurança, momentos em família e qualidade de vida – e não imóveis. 

Via Hey House – Um parceiro Conelly Master Media

No caso de serviços ou produtos de limpeza, o que deve ser vendido é mais tempo para o cliente fazer o que ama, estar com as pessoas que se importa, além de praticidade e muitas mais. 

Se procuram por algo que sua empresa não tem ou faz, busque sempre oferecer algo semelhante, focando nas qualidades que esse tem a oferecer. Se é algo que não tem momentaneamente, ponha-se à disposição para avisar assim que o produto estiver em estoque. 

Então, o que achou deste post?

Quer ler mais conteúdos como esse?

 Basta ficar ligado no nosso blog, pois publicamos semanalmente artigos com diversas informações sobre o mundo do marketing.

E, para ter uma experiência ainda mais completa, siga-nos nas redes sociais, para se manter atualizado nas novidades!

Whatsapp